Santa Bárbara

Cidade histórica do Circuito do Ouro de Minas Gerais, localizada a noventa e oito quilômetros de Belo Horizonte (utilizando-se a BR 381/262 e a MG 436), no centro da Estrada Real. A paisagem bucólica, com suas igrejas, telhados e quintais, aos pés da imponente Serra do Caraça, fazem de Santa Bárbara um dos municípios mais bonitos de Minas Gerais. Cidade tranquila e acolhedora, apesar da agitação da atual fase de desenvolvimento econômico, é também dotada de um povo simples e hospitaleiro que preserva suas tradições e mantém uma vida cultural ativa.

Origens: As origens de Santa Bárbara remontam ao período da exploração do ouro em Minas Gerais, no início do século XVIII. O bandeirante paulista Antônio Silva Bueno, explorando as margens do ribeirão existente nas fraldas da Serra do Caraça, encontrou ali ricas minas de ouro. A este ribeirão, ele chamou de Santa Bárbara, pois aqui chegara no dia 4 de dezembro de 1704, dia da Santa deste nome, conforme registro no calendário litúrgico.

A riqueza das minas descobertas por Bueno às margens do ribeirão Santa Bárbara, desde os primórdios, desperta a cobiça de outros aventureiros mineradores. Na esperança de se enriquecerem, fixaram-se nesta promissora região. Assim, desponta o arraial de Santo Antônio do Ribeirão de Santa Bárbara. Santo Antônio porque era o santo padroeiro dos bandeirantes recém-chegados, e Santa Bárbara porque era a santa comemorada no dia 04 de dezembro. Uma capela logo é erguida.

Segundo registros históricos, a construção da Igreja Matriz de Santo Antônio foi iniciada em 1713. A medida que o arraial crescia, outras igrejas e capelas iam sendo edificadas.  Posteriormente a cidade se tornou importante passagem na rota entre a Corte, no Rio de Janeiro, e as minas do centro/norte de Minas Gerais (Estrada Real - Caminho dos Diamantes). Em 1817 foi visitada pela expedição dos naturalistas Carl Friedrich Philipp von Martius e Johann Baptiste von Spix em sua passagem pelo sertão mineiro. Foi elevada à condição de Vila em 16 de março de 1839, e em 1858 à condição de Município com o nome de "Santa Bárbara do Mato Dentro". Em 1861, os ingleses que ali chegaram organizaram a Santa Barbara Mining Company, na região que hoje se encontra Florália e Bateias, com o objetivo de retomar a exploração do ouro. Por volta de 1870, foi visitada pelo imperador Dom Pedro II que, no Santuário do Caraça, declarou que "só esta paisagem já paga a viagem a Minas Gerais".

Cultura e turismo

A cidade oferece como atrações turísticas permanentes algumas construções do século XVIII entre eles a Matriz de Santa Bárbara, dedicada a Santo Antônio e construída em 1724, no estilo barroco colonial, recentemente recuperada, onde se destaca o teto da nave pintado pelo Mestre Manuel da Costa Ataíde.

Há ainda o casario do século XIX do centro histórico da cidade, destacando-se a Prefeitura, o Hotel Quadrado, a antiga Cadeia Municipal (futuro Museu Municipal), a Pharmacia Sant'Anna (atual Museu do Judiciário Municipal), o Chalé Barroco, a Casa da Cultura, a Igrejinha de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e o casario colonial da Rua Rabelo Horta. Possui mais três igrejas, várias capelas barrocas e a Represa do Peti, área de preservação ambiental e reserva ecológica pertencente à Cemig, liberada para pesquisas, pescarias e visitas.

Como atrações turísticas temporárias, Santa Bárbara conta com vários eventos: a Cavalhada de Santo Amaro, no primeiro domingo de julho, o Torneio Leiteiro e Exposição Agro-Pecuária, no segundo fim de semana de julho; a Feira Multi-Setorial, no terceiro fim de semana de setembro, com cavalgadas, rodeios e animados shows de artistas populares; e o aniversário da cidade, em 4 de dezembro, com programação cultural variada. Santa Bárbara é uma cidade muito calma e ótima para se visitar.

No subdistrito de André do Mato Dentro, acontece, em outubro, a tradicional Festa de São Geraldo e Santo Antônio com atrações religiosas, como missas e procissão, além da Corporação Musical Santo Antônio e da esperada Cavalhada Feminina - considerada a única do gênero no estado. Em Bateias, na semana de 17 de junho, ocorre a tradicional Festa de São Manuel, que atrai uma multidão e é considerada uma das mais belas do município.

Principais atrativos:

Igreja Matriz de Santo Antônio

 

"Detalhes da igreja Matriz de Santo Antônio, templo do barroco mineiro com preciosidades de Mestre Athayde. Merecem destaque as balaustradas de jacarandá que se contrapõem às molduras imitando mármore, a Capela do Santíssimo, com cúpula mourisca folheada a ouro, os púlpitos atribuídos a Aleijadinho, os rebuscados altares laterais e as lindas e vertiginosas pinturas em azul e vermelho - a do forro da nave remete à Assunção da Virgem Maria; e a da capela-mor, considerada a obra-prima de Athayde, à ascensão de Jesus Cristo.

O mestre assina ainda os desenhos do retábulo rococó, das telas sobre a passagem bíblica da volta do filho pródigo e os painéis ao estilo da azulejaria portuguesa que retratam a vida e a morte de Abraão. O passeio termina na balaustrada da capela, toda folheada a ouro, nas tribunas reservadas à elite da época."

Estacão ferroviária

Capela de Nossa Senhora do Rosário dos Negros - século XVIII – Tombada pelo IEPHA e CONSELHO MUNICIPAL

Casa do Mirante - século XVIII – Tombada pelo IEPHA – CONSELHO MUNICIPAL

Casarão Afonso Pena ou Casa Grande

A Casa Grande, que sedia o Memorial Affonso Penna, está localizada no complexo do Centro Histórico de Santa Bárbara. Além de ser um exemplar da arquitetura colonial, possui grande relevância histórica e simbólica para os santabarbarenses, já que nela nasceu, em 30 de novembro de 1847, o presidente Affonso Augusto Moreira Penna.

A casa mostra-se como uma evolução das típicas residências do período colonial. Suas características e tipologia arquitetônica datam possivelmente do séc. XVIII, com características marcantes do início do séc. XIX, como janelas com vergas em madeira alteadas, porão habitável, janelas em guilhotina e vidro, um número considerável de aberturas e pé direito alto.

 

Mausoléu e monumento - instalado no jardim do Memorial, o mausoléu - com os restos mortais de Affonso Penna, de sua esposa Maria Guilhermina de Oliveira Penna e de seus três filhos, Álvaro Augusto Moreira Penna, Olga Affonso Penna e Dorah Moreira Penna - foi transferido do cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro. O monumento, inaugurado em 1912 - três anos após a morte de Affonso Penna -, foi confeccionado em mármore de Carrara por José Maria Oscar Rodolfo Bernardelli, famoso artista mexicano, radicado no Brasil em fins do século XIX. O túmulo é formado por quatro colunas arcádicas, encontrando-se em sua cobertura um vitral com a bandeira do Brasil. A figura de uma mulher chorando sobre a lápide de 3 mil Kg representa a República. O estilo do mausoléu é eclético, misturando Néo Clássico com Art Noveau.

Capela da Arquiconfraria do Cordão de São Francisco

Parque Recanto Verde

Casa do Mel de Santa Bárbara

Casa da Cultura

Outras atracões:

 

 

 

  • Antiga Farmácia Sant'Anna (de D. Nini) - século XVIII – Tombada pelo IEPHA - CONSELHO MUNICIPAL

 

 

  • Hotel Quadrado

 

 

  • Prefeitura Municipal

 

 

  • Antiga Cadeia

 

 

 

  • Capela de Nosso Senhor do Bonfim

 

 

 

  • Igreja São Manuel ( em Bateias)

 

 

  • Capela de São Jose (em Sumidouro)

 

 

  • Cachoeiras pedregosas ( em Bateias)

 

 

 

Bicame de pedra

Entre as cidades de Catas Altas e Santa Bárbara, em estrada secundária destacam-se na paisagem as ruínas de um imponente projeto de engenharia do século XVIII. Um grande aqueduto conhecido como “Bicame de Pedras”.

Construído em quartzito da formação Moeda, sua finalidade era levar água do córrego Quebra-Ossos, com suas nascentes na serra do Caraça, às fazendas e minerações existentes na região. Atualmente, existem cerca de 200 metros deste monumento, que tem, ao centro, um portal com a inscrição da data de construção - 1792. Incrustada em sua lateral, uma escadaria de pedras dá acesso à parte superior do aqueduto.

Segundo relato, esta obra originalmente se estendia por 18 quilômetros.

 

 

Ruínas de um bicame, ou aqueduto, construído de pedra em 1792 para levar água da Serra do Caraça até o vilarejo de Brumado, hoje Brumal. Hoje restam apenas 200m de extensão e uma escadaria que dá acesso à parte superior.

Locais Pitorescos:

André do Mato Dentro é lugar privilegiado com suas nascentes de água doce, cachoeiras, que formam o rio São João, que passa no município de Barão de Cocais. É também rodeado pelas serras do Gandarela, Almeida e próximo a serra do Gongo Soco, formando uma linda paisagem natural, atrativos para quem procura tranquilidade e ar puro.

 

Cruz dos Peixotos: A História de Cruz dos Peixotos tem início com a fundição do ferro na região para a fabricação de ferraduras. Esta foi a primeira atividade desenvolvida pelos habitantes da Comunidade. Como esta, a criação de gado e a lavoura de subsistência também tiveram grande destaque.

 

 

Contato

  • Estrada do Caraça - Km 2,6 - Brumal - Santa Barbara - MG